Formação do professor da educação infantil: Corpo e movimento - compreendendo o brincar

Autores

  • Dalila Maitê Rosa Sena Fundação Universidade Federal de Rondônia - UNIR
  • João Guilherme Rodrigues Mendonça Fundação Universidade Federal de Rondônia - UNIR

DOI:

https://doi.org/10.26568/2359-2087.2022.5330

Palavras-chave:

Educação Infantil. Corpo e movimento. Formação docente.

Resumo

Esse artigo trata a respeito da importância do movimento como forma de expressão, interação e comunicação das crianças, objetivando refletir sobre o corpo e o movimento como recursos que possibilitam aprendizagem significativa na infância. A pesquisa apresenta concepções de acadêmicos do curso de pedagogia em relação à aplicação de atividades espontâneas e semidirigidas em uma turma de Educação Infantil, partindo de experiências vivenciadas na disciplina “Corpo e movimento”. Como metodologia, adotou-se a observação participante, com registro simultâneo dos acontecimentos, bem como a participação em grupo focal para socialização da aplicação das atividades. Os dados analisados contribuem para a reflexão e a conscientização dos acadêmicos e professores, apontando a necessidade de uma formação lúdica na universidade e a aplicabilidade da teoria na prática. Os resultados apontam que o trabalho na Educação Infantil não é algo estático, mas cheio de desafios; o professor precisa usar sua criatividade e empatia para não desestimular a aprendizagem das crianças. Dessa forma, é necessário incluir no currículo da formação inicial dos professores uma disciplina específica sobre o corpo e o brincar, uma vez que essa temática pode proporcionar uma grande mudança de mentalidade e de procedimento em relação a sua atuação na Educação Infantil.

Biografia do Autor

Dalila Maitê Rosa Sena, Fundação Universidade Federal de Rondônia - UNIR

Mestranda do Programa de Mestrado Profissional em Educação Escolar da Universidade Federal de Rondônia, campus de Porto Velho, e-mail: dalila_maite@hotmail.com

João Guilherme Rodrigues Mendonça, Fundação Universidade Federal de Rondônia - UNIR

Doutor em Educação Escolar pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP). Docente da Universidade Federal de Rondônia (UNIR). E-mail: jgrmendonca@bol.com.br

Referências

ARRIBAS, T. L. Educação infantil: desenvolvimento, currículo e organização escolar. 5. ed. Porto Alegre: Artmed, 2004.

AZEVEDO, R. B. de; PINTO, V. F. As políticas de avaliação e suas implicações na educação infantil. EDUCA - Revista Multidisciplinar em Educação, Porto Velho, v. 08, n. 01, p. 1-22, Jan./Dez., 2021. DOI: 10.26568/2359-2087.2021.4962. Disponível em: http://www.periodicos.unir.br/index.php/EDUCA/issue/archive e-ISSN: 2359-2087.

BARBOSA, C.; FORTUNA.T. O brincar livre na sala de aula de Educação Infantil: concepções de alunas formandas da licenciatura em pedagogia. Aprender – Caderno de Filosofia e Psicologia da Educação. Ano 9, n. 15 jul/dez – Dossiê – Educar e Brincar, 2015.

BARBOSA, M. C. S. As crianças, o brincar e o currículo na Educação Infantil. Pátio – Educação Infantil, Porto Alegre, ano 9, n. 27, p. 36-38., abr./jun. 2011.

BEHLAU, M.; DRAGONE, M. L. S.; NAGANO, L. A voz que ensina: o professor e a comunicação oral em sala de aula. Rio de Janeiro: Revinter, 2004. 68 p.

BOGDAN, R. C.; BIKLEN, S. K. Investigação qualitativa em educação. Trad. Maria João Alvarez, Sara Bahia dos Santos e Telmo Mourinho Baptista. Porto: Porto Ed., 1994.

BRASIL. Ministério da Educação. Base nacional comum curricular. Brasília: 2017.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental. Diretrizes curriculares nacionais para a educação infantil. Brasília: 2010.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental. Referencial curricular nacional para a educação infantil. Brasília: MEC/SEF, 1998. v. 1.

CERISARA, A. B. Educar e cuidar: por onde anda a educação infantil? Perspectiva. Florianópolis, n. especial, p. 07-10, jul./dez. 1999.

FORTUNA, T. R. O lugar do brincar na Educação Infantil. Pátio - Educação Infantil: brincar e aprender, [S.L], n. 27, p. 8-10, 2011.

FREIRE DA SILVA, J. B. Educação de corpo inteiro: teoria e prática da Educação Física. Campinas: Scipione, 1989.

FRICK, L. T. Responsabilidade social e relações com pares na infância. EDUCA - Revista Multidisciplinar em Educação, Porto Velho, v. 07, p. 672-686, Jan./Dez., 2020. DOI: 10.26568/2359-2087.2020.4939. Disponível em: http://www.periodicos.unir.br/index.php/EDUCA/issue/archive e-ISSN: 2359-2087.

GONÇALVES, M. F. C. "Se a professora me visse voando ia me pôr de castigo": A representação da escola feita pela criança de baixa renda em sua primeira experiência discente. 1990. Dissertação (Mestrado e Educação) - Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas-SP, 1990.

HEASLIP, P. Fazendo com que o brincar funcione na sala de aula. In: MOYLES, Janet et al. A excelência do brincar. Porto Alegre: Artmed, 2006. p. 121-132.

KISHIMOTO, T. M. Brinquedos e materiais pedagógicos nas escolas infantis. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 27, n. 2, p. 229-245, jul./dez. 2001.

LEVIN, E. O corpo ajuda o aluno a aprender. Nova Escola. Rio de Janeiro: Abril, n. 179, p. 20-22, jan /fev, 2005.

MATTOS, M. G. de e NEIRA, M. G. O papel do movimento na Educação Infantil. IN NICOLAU, M. L. M.; DIAS, M. C. M. (Org.) Oficinas de sonho e realidade na formação do educador da infância. Campinas: Papirus, 2003.

MELLO. M. A. A atividade mediadora nos processos colaborativos de educação continuada de professores: educação infantil e educação física. 2001. Tese (Doutorado em Educação) – Centro de Educação e Ciências Humanas, Universidade Federal de São Carlos, São Carlos-SP, 2001.

MORGAN, D. L. Grupo focal como pesquisa qualitativa. Métodos de pesquisa qualitativa. Séries. Londres: Sage Publications, v. 16, 1997.

NÓBREGA, T. P. Corporeidade e educação física: do corpo-objeto ao corpo-sujeito. Natal: EDUFRN, 2005.

NÓVOA, A. Profissão docente: há futuro para esse ofício? In: VII CONGRESSO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO. Anais [...]. Porto Alegre, 2011.

OLIVEIRA, G. de C. Psicomotricidade: educação e reeducação num enfoque psicopedagógico. 16. ed. Petrópolis: Vozes, 2011.

OLIVEIRA. Z. M.; MELLO, A. M.; VITÓRIA, T.; FERREIRA, M. C. R. Creches: crianças, faz de conta & cia. Petrópolis: Vozes. 1992.

OLIVIER, G. G. F. Um olhar sobre o esquema corporal, a imagem corporal, a consciência corporal e a corporeidade. 1995. Dissertação (Mestrado em Educação Motora) - Faculdade de Educação Física, Universidade Estadual de Campinas, Campinas-SP, 1995.

RICHTER, A. C; VAZ, A. F. Corpos, saberes e infância: um inventário para estudos sobre a educação do corpo em ambientes educacionais de O a 6 anos. In: Revista Brasileira de Ciências do Esporte. Campinas, v. 26, n. 3, p. 79-93, maio, 2005.

RICHTER, L. M. Movimento corporal da criança na educação infantil: expressão, comunicação e interação. 2006. 174 f. Dissertação (Mestrado em Educação) –Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia-MG, 2006.

STEUCK, C. D. Corporeidade e educação: um olhar a partir da epistemologia social. 2008. Dissertação (Mestrado em Educação) - Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Regional de Blumenau (FURB), Blumenau-SC, 2008.

Downloads

Publicado

23/01/2022

Como Citar

SENA, D. M. R.; MENDONÇA, J. G. R. Formação do professor da educação infantil: Corpo e movimento - compreendendo o brincar. EDUCA - Revista Multidisciplinar em Educação, [S. l.], v. 9, p. 1–18, 2022. DOI: 10.26568/2359-2087.2022.5330. Disponível em: https://periodicos.unir.br/index.php/EDUCA/article/view/5330. Acesso em: 30 set. 2022.

Edição

Seção

Artigos Científicos