A crise do capital e a atualidade da pedagogia histórico-crítica

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26568/2359-2087.2022.6426

Palavras-chave:

Educação escolar. Crise estrutural do capitalismo. Pedagogia histórico-crítica

Resumo

Este trabalho, dentro dos limites de um artigo, objetiva analisar os determinantes da crise estrutural do modo de produção capitalista e a atualidade da Pedagogia Histórico-Crítica. Como ponto de partida metodológico, consideramos que a educação, bem como qualquer outra instância social, não deve ser desvinculada das  estruturas de classes instituídas historicamente. Trata-se de uma das dimensões da sociedade que colabora direta ou indiretamente para reprodução da  força de trabalho. Da mesma forma, dialeticamente, também é um espaço que pode servir de resistência à ordem instituída, podendo desenvolver projetos com aspirações dos trabalhadores. Isto posto, faz-se imprescindível  considerar a atualidade e as  possibilidades da Pedagogia Histórico-Crítica que se coloca frontalmente contra as proposições que legitimam a ordem burguesa e contribuem para a expropriação do conhecimento dos filhos da classe trabalhadora. Por fim, conclui-se que como instituição histórica a escola pode ser modificada pela ação dos homens em sociedade.

Biografia do Autor

Marco Antonio de Oliveira Gomes, Universidade Estadual de Maringá.

Possui licenciatura plena em História pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas (1988); Pedagogia pela Faculdade de Ciências e Letras Plínio Augusto do Amaral (1997); Mestrado (2001) e Doutorado (2008) em História e Filosofia da Educação pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Trabalhou como professor de História na Educação Básica (1989-2009) e como professor adjunto da Universidade Federal de Rondônia (UNIR), lotado no Depto. de Ciências da Educação, com experiência nos seguintes temas: História da Educação, Trabalho e Educação; Estado e políticas públicas em Educação e Fundamentos do Ensino de História. Atualmente é professor adjunto da Universidade Estadual de Maringá, lotado no Departamento de Fundamentos da Educação. Participa do Grupo de Pesquisas em Fundamentos Histórico-Filosóficos da Educação - UFSC/CNPq e do Grupo de Pesquisa sobre Política, Religião, Educação e Modernidade (Universidade Estadual de Maringá)

Suzane Meneses Caetano, Universidade Estadual de Maringá, Maringá

Mestranda em Educação. Universidade Estadual de Maringá, Maringá.

Referências

DUARTE, Newton. Vigotski e o “aprender a aprender”: crítica às apropriações neoliberais e pós-modernas da teoria vigotskiana. Campinas, SP: Autores Associados, 2001.

FRIGOTTO, G.; CIAVATTA, M. Educar o trabalhador cidadão produtivo ou o ser humano emancipado? Revista Trabalho, Educação e Saúde. v. 1, n. 1, Rio de Janeiro, p. 45-60, 2003. Disponível: https://www.scielo.br/j/tes/a/JSYmSMnc7TKKrxWjm3xHLGd/?lang=pt&format=pdf

Acesso: 04/03/2021.

KUENZER, A. Z. Exclusão Includente e Inclusão Excludente: a nova forma de dualidade estrutural que objetiva as novas relações entre educação e trabalho. In LOMBARDI, J. C.;SAVIANI, D.; SANFELICE, J. L. (Orgs.) O Capitalismo, trabalho e educação. São Paulo: Cortez, p. 2005.

LIMA, Marcos Roberto; LOMBARDI, José Claudinei; DOMINSCHEK,, Desiré Luciane. A pedagogia histórico-crítica no âmbito da educação brasileira: do senso comum à práxis revolucionária na educação. Campinas: Revista Histedbr Online. V. 20, 2020. Disponível: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8655835/22649

Acesso: 20/03/2021.

MANACORDA, Mario Alighiero. Marx e a pedagogia moderna. São Paulo: Cortez/Autores Associados, 1991.

MARX, Karl. Crítica da Filosofia do Direito de Hegel – Introdução. São Paulo: Boitempo, 2013.

MARX, Karl. Manuscritos econômico-filosóficos. São Paulo: Martin Claret, 2006.

_____. MARX, Karl; ENGELS, F. A ideologia alemã. São Paulo: Boitempo, 2007.

MÉSZÁROS, I. Para além do capital: rumo a uma teoria da transição. Trad. Paulo Cezar Castanheira, Sérgio Lessa. - 1.ed. revista. - São Paulo: Boitempo, 2011

PONCE, Aníbal. Educação e Luta de Classes. São Paulo: Cortez Editora, 2001.

SAVIANI, Dermeval. Escola e Democracia. São Paulo: Cortez/Autores Associados, 1989.

SAVIANI, Dermeval. Trabalho como princípio educativo frente às novas tecnologias. In. FERRETI, C. J. at. al. (orgs); Tecnologias, trabalho e educação: um debate multidisciplinar. 3ª ed. Petrópolis-RJ, Vozes, 1994, p. [p. 151-168].

_____. O choque teórico da politecnia. Trabalho, educação e saúde. vol.1 no.1 Rio de Janeiro Mar. 2003. Disponível https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1981-77462003000100010

Acesso 07/01/2021.

_____. Trabalho e educação: fundamentos ontológicos e históricos. Revista Brasileira de Educação. Rio de Janeiro Jan./Apr. 2007. Disponível: https://www.scielo.br/j/rbedu/a/wBnPGNkvstzMTLYkmXdrkWP/?lang=pt&format=pd

Acesso 05/01/2021.

SCHULTZ, Theodore William. O capital humano: investimento em educação e pesquisa. Rio de Janeiro: Zahar, 1973.

UNICEF. Declaração Mundial sobre Educação para Todos: Conferência de Jomtien, 1990. Disponível: https://www.unicef.org/brazil/declaracao-mundial-sobre-educacao-para-todos-conferencia-de-jomtien-1990. Acesso: 03/04/2021.

Downloads

Publicado

23/01/2022

Como Citar

DE OLIVEIRA GOMES, M. A.; CAETANO, S. M. A crise do capital e a atualidade da pedagogia histórico-crítica. EDUCA - Revista Multidisciplinar em Educação, [S. l.], v. 9, p. 1–18, 2022. DOI: 10.26568/2359-2087.2022.6426. Disponível em: https://periodicos.unir.br/index.php/EDUCA/article/view/6426. Acesso em: 30 set. 2022.

Edição

Seção

Dossiê Temático