As (novas) DCNs para o curso de licenciatura em pedagogia: limitações à promoção da educação para a sustentabilidade

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26568/2359-2087.2022.6542

Palavras-chave:

Formação de professores. Licenciatura em pedagogia. Educação para a sustentabilidade. Pedagogia contra-hegemônica.

Resumo

O artigo objetiva apresentar reflexões sobre a política de formação do pedagogo implementada no Brasil a partir da década de 1990 e analisar como a atual proposta estatal de revisão das DCNs para a licenciatura em pedagogia se constitui em instrumento de entrave à educação para sustentabilidade na educação infantil e anos iniciais do ensino fundamental. O estudo foi realizado sob o enfoque qualitativo, por meio de pesquisas bibliográfica e documental, apoiado em teóricos que coadunam com pressupostos da Pedagogia Histórico-Crítica, dentre os quais: Saviani (202, 2008, 2011, 2016), Morosoni (2009), Veiga (2001), Pereira (2018) e Mazzeu (2011). As conclusões destacam a importância da qualidade da formação docente para a qualidade social da educação e a importância e protagonismo das organizações civis no acompanhamento e controle das ações do Estado e para a proposição de uma pedagogia e uma proposta de formação contra-hegemônica. Indica também que a promoção da educação para a sustentabilidade pressupõe o domínio de conhecimentos científicos generalizados sobre a ciência da educação e a formação humana, considerando as relações entre sustentabilidade e educação, sendo, portanto, equivocada a fragmentação da formação do pedagogo em habilitações técnicas.

Biografia do Autor

Lílian Aquino Oliveira, Universidade Federal do Oeste do Pará - Ufopa

Doutoranda em Educação na Amazônia - Programa de Pós-Graduação em Educação na Amazônia (PGEDA). Mestra em Educação. Docente do Curso de Licenciatura em Pedagogia, da Universidade Federal do Oeste do Pará - Área: Política Educacional.

Tânia Suely Azevedo Brasileiro, Universidade Federal do Oeste do Pará - Ufopa

Pós-doutora em Psicologia, doutorado em Educação. Membro permanente do corpo docente dos   Programas de Pós-Graduação: Mestrado em Educação, Doutorado em Sociedade, Natureza e Desenvolvimento da Universidade  Federal do Oeste do Pará/Santarém/Brasil e do doutorado em rede Educanorte.

Referências

APPLE, Michael W. A política do conhecimento oficial: Faz sentido a ideia de um currículo nacional? In: MOREIRA, Antonio Flávio Barbosa; SILVA, Tomás Tadeu da (Orgs.). Currículo, cultura e sociedade. Tradução de Maria Aparecida Baptista. SP: Cortez, 1999.

BANCO MUNDIAL. Prioridades y Estratégias para la educación. Washington, DC: World Bank, 1995.

BOFF, L. Sustentabilidade: o que é: o que não é. Petrópolis, RJ: Vozes, 2017.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. 1988.

BRASIL. Lei nº 8.069. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências. Brasília, 1990.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei nº 9.394. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, 1996.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria da Educação Fundamental. Referenciais para Formação de Professores. Brasília: MEC/SEF, 1998.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Parecer CNE/CP nº. 09/2001. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores da Educação Básica. Brasília: MEC, 2001.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Resolução CNE/CP nº. 01/2002. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores da Educação Básica. Brasília: MEC, 2002.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Resolução CNE/CP nº. 01/2006. Diretrizes Curriculares Nacionais para o Curso de Graduação em Pedagogia, licenciatura. Brasília: MEC, 2006.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Resolução CNE/CP nº. 02/2015. Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior (cursos de licenciatura, cursos de formação pedagógica para graduados e cursos de segunda licenciatura) e para a formação continuada. Brasília: MEC, 2015.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Resolução CNE/CP nº 02/2017. Institui e orienta a implantação da Base Nacional Comum Curricular, a ser respeitada obrigatoriamente ao longo das etapas e respectivas modalidades no âmbito da Educação Básica. Brasília: MEC, 2017.

BRASIL. Lei nº 13.415. Altera a Lei nº 9.394/1996 e Lei nº 11.494/2007. Brasília, 2017.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Resolução CNE/CP nº. 02/2019. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação Inicial de Professores para a Educação Básica e institui a Base Nacional Comum para a Formação Inicial de Professores da Educação Básica (BNC- Formação). Brasília: MEC, 2006.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Diretrizes Curriculares Nacionais De Pedagogia: Proposta Preliminar - em discussão. Brasília, 2021 (slides).

BRZEZINSKI, I. Formação de professores para a educação básica e o curso de Pedagogia: a tensão entre o instituído e instituinte. Revista Brasileira de Política e Administração da Educação, – v.23, n.2, p. 229-251, mai./ago. 2007.

FÓRUM NACIONAL DE DIRETORES DE FACULDADES, CENTROS DE EDUCAÇÃO OU EQUIVALENTES DAS UNIVERSIDADES PÚBLICAS BRASILEIRAS (FORUNDIR). Comunicação sobre reunião CNE - Comissão Bicameral - Revisão DCNs Pedagogia. Uberlândia, fevereiro de 2021. PDF.

GRANDISOLI, Edson et al. Participação, cocriação e corresponsabilidade: um modelo de tripé da educação para a sustentabilidade. In: GRANDISOLI, Edson et al (orgs). Educar para a sustentabilidade: visões de presente e futuros. [Recurso eletrônico]. São Paulo: IEE-USP: Reconectta; Editora na Raiz, 2020. PDF.

JACOMELI, Mara Regina Martins. Dos Estudos Sociais aos Temas Transversais: uma abordagem histórica dos fundamentos teóricos das políticas brasileiras (1971-2000). 2004. 195 f. Tese (Doutorado em Educação) - Universidade Estadual de Campinas – Faculdade de Educação. Campinas, 2004.

KRAEMER, M. E. P. A universidade do século XXI rumo ao desenvolvimento sustentável. Revista Eletrônica de Ciência Administrativa, v. 3, n. 2, p. 1, 2004.

KUENZER. A. As relações entre conhecimentos tácitos e conhecimentos científicos através da base microeletrônica - primeiras aproximações. Revista Educar, Especial, p. 43-69, Editora UFPR, 2003. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/er/nspe_/nspea03. pdf. Acesso em: maio de 2015.

LESSARD, Claude. A universidade e a formação profissional dos docentes: Novos questionamentos. Revista Educação e Sociedade, Campinas, vol. 27, n. 94, p. 201, 2006.

LIBANEO, José Carlos; OLIVEIRA, João Ferreira de; TOSCHI, Mirza Seabra. Educação Escolar: políticas, estruturas e organização. 10ª ed. SP: Cortez, 2011.

LIBÂNEO, José Carlos. Pedagogia e pedagogos: inquietações e buscas. Revista Educar, Curitiba, n. 17, p. 153-176. 2001a. Editora da UFPR.

MAZZEU, Lidiane Teixeira Brasil. A política educacional e a formação de professores: reflexões sobre os fundamentos teóricos e epistemológicos da reforma. In: MARSÍGLIA, Ana Carolina Galvão (org.). Pedagogia histórico-crítica: 30 anos. Campinas: Autores Associados, 2011, p. 147-167.

MOROSONI, Marilia Costa. Qualidade da Educação Superior: Tendências do Século. Est. Aval. Educ., São Paulo, v. 20, n. 43, maio/ago. 2009. Disponível em: http://publicacoes.fcc.org.br/ojs/index.php/eae/article/view/2043. Acesso em jul. 2021.

OLIVEIRA, Lílian Aquino. BRASILEIRO, Tania Suely Azevedo. A avaliação da formação de professores para a promoção e o desenvolvimento da educação para sustentabilidade em contexto Amazônico. In: BRASILEIRO, Tania Suely Azevedo; PACÍFICO, Juracy Machado (orgs). Educação para a Amazônia: estudos e pesquisas em movimento [recurso eletrônico] Santarém, PA: Rosivan Diagramação & Artes Gráficas, 2021. PDF.

PEREIRA, Leoclécio Dobrovoski Silva. Crise nas licenciaturas e a luta pela educação no Brasil. Uberlândia: Navegando Publicações, 2018.

PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO (PNUD). Acompanhando a agenda 2030 para o desenvolvimento sustentável: subsídios iniciais do Sistema das Nações Unidas no Brasil sobre a identificação de indicadores nacionais referentes aos objetivos de desenvolvimento sustentável/Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento. Brasília: PNUD, 2015.

SAVIANI, Dermeval. Educação Escolar, Currículo e Sociedade: o problema da Base Nacional Comum Curricular. In: Movimento - Revista de Educação, Ano 3, Número 4, 2016. Disponível em: https://periodicos.uff.br/revistamovimento/article/view/32575. Acesso em: 01 jun. 2021.

SAVIANI, Dermeval. Marxismo e pedagogia. Revista Histedbr On line, v. 11 n. 41e: abr. 2011 (n. esp.), p.16-27. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs /index.php/histedbr/article/view/8639892. Acesso em: 01 jun. 2021.

SAVIANI, Dermeval. A Pedagogia no Brasil: história e teoria. Campinas: Autores Associados, 2008a. (Coleção Memória da Educação).

SAVIANI, Dermeval. Pedagogia histórico-crítica: primeiras aproximações. 10. ed. rev. Campinas, SP: Autores Associados, 2008b. (Coleção Educação Contemporânea).

SAVIANI, Dermeval Pedagogia histórico-crítica, quadragésimo ano [livro eletrônico]: novas aproximações / Dermeval Saviani. – Campinas, SP : Autores Associados, 2019.

SAVIANI, Dermeval. O choque teórico da politecnia. Revista Trabalho, Educação e Saúde, Rio de Janeiro, v. 1, n. 1, p. 131-152, mar. 2002. Disponível em: http://www.revista.epsjv.fiocruz.br/upload/revistas/r41.pdf. Acesso em: 01 jun. 2021

TORRES, Rosa M. Melhorar a qualidade da educação básica? As estratégias do Banco Mundial. In: TOMMASI, Lívia; WARDE, Mirian J.; HADDAD, Sérgio. O Banco Mundial e as políticas educacionais. São Paulo: Cortez; PUC-SP; Ação Educativa, 1996.

VEIGA, Ilma Passos A. (Org.). Projeto Político-Pedagógico da Escola: uma construção possível. Campinas, SP: Papirus, 2001.

Downloads

Publicado

23/01/2022

Como Citar

OLIVEIRA, L. A.; BRASILEIRO, T. S. A. As (novas) DCNs para o curso de licenciatura em pedagogia: limitações à promoção da educação para a sustentabilidade. EDUCA - Revista Multidisciplinar em Educação, [S. l.], v. 9, p. 1–28, 2022. DOI: 10.26568/2359-2087.2022.6542. Disponível em: https://periodicos.unir.br/index.php/EDUCA/article/view/6542. Acesso em: 30 set. 2022.

Edição

Seção

Dossiê Temático