CULTURA, IDENTIDADE E MEMÓRIA: A INDISSOCIABILIDADE NO PROCESSO ENSINO-APRENDIZAGEM DE LÍNGUA ESTRANGEIRA/CULTURE, IDENTITY AND MEMORY: THE INSEPARABILITY IN THE FOREIGN LANGUAGE TEACHING-LEARNING PROCESS

Autores

  • Vera Lúcia Conceição da Silva UNIR

Palavras-chave:

Cultura, Identidade, Memória, Língua Estrangeira, Ensino-aprendizagem.

Resumo

Pesquisas relacionadas ao ensino e aprendizagem de línguas estrangeiras defendem uma visão de linguagem carregada de aspectos identitários, de valores culturais e traços de memórias. Há importantes discussões sobre a indissociabilidade desse tripé no processo de aquisição de uma língua estrangeira. Deste modo, a partir de uma revisão bibliográfica, pretende-se, neste trabalho, abordar a questão dessa relação indissolúvel e suas implicações no processo de ensino e aprendizagem de línguas na contemporaneidade. Para tanto, traçamos um diálogo reflexivo com teóricos como Canclini (1998), Laraia (2004), Cuche (1999) e Bruner (1990; 1997; 2001), que discutem a cultura, Hall (2001) e Rajagopalan (2003), que permeiam suas discussões acerca da identidade e Halbwachs (2006) e Pollak (1992; 2004) sobre a memória. Com este estudo, percebeu-se que a cultura é a grande responsável por fazer com que o educando tome atitudes baseadas em sua forma de compreender a vida.  No entanto, se a relação entre língua e cultura pressupõe que o uso da linguagem é compartilhado socialmente por um grupo e isso não ocorre em fatos isolados, mas no cotidiano da prática linguística, deve-se desenvolver a competência intercultural do educando sem impor o domínio da outra cultura, caso contrário, estaria induzindo o estudante, em detrimento da cultura estrangeira alvo, a negar a sua. De igual modo, deve o educador refletir sobre o processo intelectual de mudança do conceito de identidade fixa para mais plural, uma vez que ela se relaciona com a memória na medida em que as identidades se constituem como uma herança de significados, ligados à constituição de uma memória e de um discurso que legitime a ideia de pertencimento.

Referências

BRASIL, Ministério da Educação. Parâmetros Curriculares Nacionais para o Ensino Fundamental. Brasília, MEC/SEF. 2001.

BRASIL, Ministério da Educação. Diretrizes Curriculares Nacionais de Letras. Brasília, MEC/SEF. 2001.

BRUNER, Jerome. A construção Narrativa da Realidade. Critical Inquiry. Trad. Waldemar Ferreira Neto. {S.1}, 8.1, P.1-21, 1990.

__________. Atos de significação. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997.

__________. A Cultura da Educação. Marcos A. G. Domingues. Porto Alegre: Artmed Ed. 2001.

BURKE, Peter. Variedades de História Cultural. Rio de Janeiro: Civilização brasileira, 2000.

CANCLINI, Néstor Garcia. Culturas Híbridas, Poderes Oblíquos. In: CANCLINI, Néstor Garcia. Culturas Híbridas – estratégias para entrar e sair da modernidade. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2013.

CATROGA, Fernando. Memória e História. In: PESAVENTO, Sandra Jatahy (org.). Fronteiras do Milênio. Porto Alegre, RS: Ed.Universidade/ UFRGS, 2001.

CUCHE, Denys. A noção de cultura nas ciências sociais. Tradução de Viviane Ribeiro. Bauru: EDUSC, 1999.

DURKHEIM, Émile. Sociologia e Filosofia. São Paulo: Forense, 1970.

ERICKSON, F. Culture in society and in educational practice. In J. Banks e C. Banks (Eds.), Multicultural education: Issues and perspectives, 3rd ed., Boston: Allyn and Bacon, 1997.

FÉLIX, L. O. História e memória: a problemática da pesquisa. Passo Fundo: Ediupf, 1998.

HALBWACHS, Maurice. A memória coletiva. São Paulo: Centauro, 2006.

HALL, J. K.. The role of oral practices in the accomplishment of our everyday lives: the sociocultural dimension of interaction with implications for the learning of another language. Applied Linguistics, Vol.14, No.2. Oxford University Press, 1993.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Tradução de Tomaz Silva, Guacira Louro. 5. ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2001, 2014.

JORGE, Mirian Lúcia Santos. Preconceito contra o ensino de língua estrangeira na rede pública In: LIMA, Diógenes Cândido de. Ensino e aprendizagem de língua: conversas com especialistas, Editora Parábola, São Paulo, 2009.

LARAIA, Roque de Barros. Cultura um conceito antropológico. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001.

LE GOFF, Jacques. História e Memória. São Paulo: Editora Unicamp, 1996.

LIMA, Diógenes Cândido de. O ensino de língua inglesa e a questão cultural. In: LIMA, Diógenes Cândido de (org.). Ensino e Aprendizagem de língua inglesa: conversa com especialistas. São Paulo: Parábola Editorial, 2009.

MACHADO, Cristina Gomes. Multiculturalismo: muito além da riqueza e da diferença. Rio de Janeiro: DP&A, 2002.

MOITA LOPES, L. P. Oficina de lingüística aplicada: a natureza social e educacional dos processos de ensino/aprendizagem de línguas. Mercado de Letras. Campinas, SP,1996.

POLLAK, Michael. Memória e Identidade Social. Rio Janeiro: Estudos Históricos, 1992.

RAJAGOPALAN, Kanavillil. Por uma linguística crítica: linguagem, identidade e a questão ética. São Paulo: Parábola Editorial, 2003.

SANTOS, Luciano dos. As Identidades Culturais: Proposições Conceituais e Teóricas. Revista rascunhos Culturais. Coxim/MS. V2. Nº 4. P. 141 – 157. Jul./dez. 2011

SARMENTO, Simone. Ensino de Cultura na Aula de Língua Estrangeira. Revista Virtual de Estudos da Linguagem – ReVEL. V. 2, n. 2, março de 2004.

SILVA, Vera Lúcia Conceição. Cultura, Memória e Identidade em Narrativas Orais de Experiência Pessoal. Porto Velho, RO, 2016.

TOMALIN, B.; STEMPLESKI, S. Cultural awareness. Oxford: OUP, 1993.

THOMAS, J. Cross-cultural pragmatic failure. Applied Linguistics, v. 4, 1, 1983.

THOMPSON, J. B. Ideologia e Cultura Moderna. Tradução de Grupo de Estudos sobre Ideologia, comunicação e representações sociais, da pós-graduação do Instituto de Psicologia da PUC-RS. Petropólis: Vozes, 2002.

UPHOFF, Dörthe. A história dos métodos de ensino de inglês no Brasil. In: BOLOGNINI, Carmem Zink (org.) Discurso e ensino: A língua inglesa na escola. Campinas/SP: Mercado das Letras, Série Discurso e ensino, 2007.

Downloads

Publicado

20/12/2020

Edição

Seção

Artigos