O pedagogo nos espaços escolar e não escolar: a cidadania no trânsito

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26568/2359-2087.2019.3508

Palavras-chave:

Pedagogo. Educação. Cidadania. Trânsito.

Resumo

A profissão do pedagogo tem delineado em sua história um perfil caleidoscópico, dada a pluralidade de papeis atribuídos na contemporaneidade a esse profissional, configurando-se esse ponto numa das problemáticas de sua identidade. As Diretrizes Curriculares do Curso de Pedagogia (2006) foi um documento que abriu novos espaços de ação laboral e discussões nesse campo. Nesse artigo, objetivamos argumentar sobre o papel do pedagogo na esfera da Educação para a Cidadania no Trânsito, quer seja no espaço escolar ou não escolar. A pesquisa é de natureza qualitativa, bibliográfica e parte documental. Essa temática se abre como um espaço epistêmico repleto de complexidades e desafios para o que fazer do pedagogo, especialmente por ampliar consideravelmente a trama gnosiológica quanto ao papel que esse profissional desempenha na sociedade. Dos resultados, elucidamos que ensinar a educação para a cidadania no trânsito ainda é um espaço que se encontra como mata virgem epistêmica diante da natureza do trabalho do pedagogo. Revelamos ainda que educar para o trânsito, não é o mesmo que educar para a cidadania, já que o vocábulo cidadania carrega em si questões emblemáticas quanto à educação de cidadãos autônomos, sensíveis, reflexivos e participativos, em prol de uma sociedade humanizada.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sheyla Maria Fontenele Macedo, Universidade do Estado do Rio Grande do Norte, (UERN), Natal

Doutora em Educação pela Universidade de Lisboa (Portugal), linha de investigação Formação de Professores, Mestra em Educação, pela Universidade Federal do Estado do Ceará / CE (2008), Especialista em Psicopedagogia pela Universidade Candido Mendes/ RJ (1999), Graduada em Pedagogia pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNI RIO) / RJ (1998). Experiência como professora no ensino superior e na educação básica (Educação Infantil e Ensino Fundamental), tendo atuado nas áreas da gestão, planejamento, supervisão e orientação educacional, além de ter exercido práticas e gestão em espaços não escolares (Educação para o Trânsito). Atua hoje como professora efetiva na Universidade Estadual do Rio Grande do Norte (UERN), Membro do Grupo de Pesquisas e Planejamento de Ensino (GEPPE), realizando pesquisas em torno das temáticas: ética e educação, avaliação educacional, didática, relações sociais (na escola, família etc), afetividade e disciplina escolar.

Maribel Machado Oliveira Checcucci, Secretaria de Segurança Pública - Defesa Civil Mobilidade e Trânsito (SESEM), Natal

Pedagoga, Psicopedagoga. Atua na área da educação para a cidadania no trânsito na Secretaria de Segurança Pública Defesa Civil Mobilidade e Trânsito (SESEM).

Referências

BRASIL. Código de Trânsito Brasileiro. Lei nº 9.503, de 23 de setembro de 1997. Brasília, DF: 1997. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L9503.htm Acesso em: 14 out. 2018.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal: Centro Gráfico, 1988. 292 p.

BRASIL. Diretrizes Curriculares Nacionais para o Curso de Graduação em Pedagogia, licenciatura. Resolução CNE/CP nº 1, de 15 de maio de 2006. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/rcp01_06.pdf. Acesso em: 07 out. 2018.

BRASIL. Lei brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência). Lei 13.146, de 6 de julho de 2015, Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/lei/l13146.htm Acesso em: 14 out. 2018.

BRASIL. Lei das pessoas portadoras de deficiência ou com mobilidade reduzida. Lei no 10.098, de 19 de dezembro de 2000. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L10098.htm Acesso em: 17 set.2018.

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais: 3º e 4º Ciclos - apresentação dos temas transversais. Secretaria de Educação Fundamental. Brasília, DF: MEC/SEF, 1998.

BRASIL. Política Nacional de educação especial na perspectiva da educação inclusiva. Brasília, 2008. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/arquivos/pdf/politicaeducespecial.pdf Acesso em: 21 set. 2018.

BRASIL. Política Nacional de trânsito. Brasília, 2004. Disponível em: http://www.lex.com.br/doc_360352_RESOLUCAO_N_166_DE_15_DE_SETEMBRO_DE_2004.aspx Acesso em: 21 set. 2018.

BRASIL. Política Nacional para a Integração da Pessoa Portadora de Deficiência. Decreto 3.298, de 20 de dezembro de 1999. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/D3298.htm Acesso em: 14 out. 2018.

BRASIL. Decreto 5.296 de 2 de dezembro de 2004. Prioridade de atendimento às pessoas especificadas e normas gerais e critérios básicos para a promoção da acessibilidade das pessoas portadoras de deficiência ou com mobilidade reduzida. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2004/Decreto/D5296.htm Acesso em: 17 set.2018.

DEMO, Pedro. Cidadania tutelada, cidadania assistida. Campinas: Autores Associados, 1995.

FAZENDA, Ivani Catarina Arantes. Interdisciplinaridade: História, Teoria e Pesquisa. 11. ed. Campinas, SP: Papirus, 2003.

FRANCO, Maria Amélia Santoro; LIBÂNEO, José Carlos; GARRIDO, Selma Pimenta. Elementos para a formação de diretrizes curriculares para cursos de Pedagogia. Cadernos de Pesquisa, v. 37, n. 130, jan./abr. 2007.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. 35. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2007.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido. 24. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1997.

GOHN, Maria da Glória. Educação não-formal e cultura Política: impactos sobre o associativismo no terceiro setor. 4. ed. São Paulo: Cortez, 2011.

LISPECTOR, Clarice. A Hora da Estrela. Rio de Janeiro: Rocco, 1998.

MACEDO, Sheyla Maria Fontenele. A formação ética profissional do pedagogo na realidade brasileira. Um estudo de caso. 2018. 513f. Tese (Doutorado em Educação). Instituto de Educação da Universidade de Lisboa, Portugal, 2018.

MOREIRA, Antonio Flávio; SILVA, Tomaz Tadeu da. Currículo, Cultura e Sociedade. São Paulo: Cortez, 1995.

MORETTO, Vasco. Construtivismo: a produção do conhecimento em aula. 4. ed. Rio de Janeiro, RJ: DP&A, 2003.

OMS EM NÚMEROS. Disponível em: https://www.paho.org/bra/Acesso em: 12 jul. 2018.

PECOTCHE, Carlos Bernardo González. Curso de Iniciação Logosófica. 10. ed. São Paulo: editora Logosófica, 1990.

PECOTCHE, Carlos Bernardo González. Introdução ao Conhecimento Logosófico. São Paulo: Ed. Logosófica, 1996.

PENTEADO, Heloisa Dupas de Oliveira. Televisão e escola: conflito ou cooperação. São Paulo: Cortez, 1991.

ROZESTRATEN, Renier. Princípios psicopedagógicos da educação transversal para professores do ensino fundamental. Campo Grande: UCDB, 2004.

SANTOS, Boaventura. Um discurso sobre as ciências. 9. ed. Porto: Edições Afrontamento, 1997.

SCHÖN, Donald. Formar professores como profissionais reflexivos. In: NÓVOA, Antônio. (org.). Os professores e a sua formação. 3. ed. Lisboa: Dom Quixote, 1997. p. 79-91.

SILVA, Tomaz Tadeu da. Documento de identidade: uma introdução às teorias do currículo. Belo Horizonte: Autêntica, 2001.

TORO, José Bernardo; WERNECK, Nízia Maria Duarte. Mobilização Social: um modo de construir a democracia e a participação. Belo Horizonte: Autêntica, 2007.

VASCONCELLOS, Eduardo A. O que é trânsito. São Paulo: Brasiliense, 1998. (Coleção Primeiros Passos).

Downloads

Publicado

13/09/2019

Como Citar

MACEDO, S. M. F.; CHECCUCCI, M. M. O. O pedagogo nos espaços escolar e não escolar: a cidadania no trânsito. EDUCA - Revista Multidisciplinar em Educação, [S. l.], v. 6, n. 15, p. 59–79, 2019. DOI: 10.26568/2359-2087.2019.3508. Disponível em: https://periodicos.unir.br/index.php/EDUCA/article/view/3508. Acesso em: 13 abr. 2024.

Edição

Seção

Artigos Científicos