Política de remuneração de professores e as recomendações da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26568/2359-2087.2020.4693

Palavras-chave:

Políticas educacionais. Remuneração de professores. OCDE.

Resumo

O texto tem como objetivo analisar as recomendações da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), no que se refere às políticas de remuneração de professores. Trata-se do resultado de uma pesquisa qualitativa e de análise documental que compreendeu o processo de construção da política, a partir da influência da OCDE e suas recomendações, a fim de estabelecer um cotejamento com as atuais políticas para a remuneração de professores no Brasil. Os resultados evidenciaram que as recomendações da OCDE atribuem ao professor uma imagem corporativista, de maneira que propõem para a carreira docente políticas pautadas no desempenho, na meritocracia e nas bonificações. Aadoção de mecanismos de mercado na política para a remuneração de professores ancora-se na corrente pedagógica da Pedagogia das Competências, a qual defende que o ensino deve se pautar na resolução de problemas práticos e na focalização dos resultados.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carlos Vinícius Ramos, Universidade Estadual de Maringá, UEM, Maringá

Mestre em Educação pela Universidade Estadual de Maringá (UEM). Pesquisador do GEPEFI/CNPq - Grupo de Estudos e Pesquisa em Políticas Educacionais, Gestão e Financiamento da Educação. Especialista em Tecnologias na Educação pela Universidade do Oeste Paulista (Unoeste) (2015). Possui graduação em Geografia pela Universidade Estadual de Maringá (2011-2014)

Jani Alves da Silva Moreira, Universidade Estadual de Maringá, UEM, Maringá

Docente Adjunto do Departamento de Teoria e Prática da Educação e do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Estadual de Maringá (UEM)

Líder do Grupo de estudos e pesquisa em Políticas Educacionais, Gestão e Financiamento da Educação (GEPEFI)

Referências

BARROSO, João. O Estado, a educação e a regulação das políticas públicas. Educação & Sociedade, Campinas, v. 26, n. 92, p. 725-751, 2005. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/es/v26n92/v26n92a02.pdf. Acesso em: 20 de maio de 2020.

BARROSO, João. Organização e regulação dos ensinos básico e secundário, em Portugal: sentidos de uma evolução. Educação & Sociedade, Campinas, v. 24, n. 82, p. 63-92, abr. 2003.

DELORS, Jacques et al. Educação um tesouro a descobrir: relatório para UNESCO da comissão Internacional sobre a Educação para o século XXI. Paris, 2000.

DUARTE, Newton. O debate contemporâneo das teorias pedagógicas. São Paulo: Editora UNESP, 2010. Disponível em: http://books.scielo.org/id/ysnm8/pdf/martins-9788579831034-03.pdf. Acesso em: 10 de novembro de 2019.

ESPÍNOLA, Maria Viola. Comentários: Víola Espínola. In: MORDUCHOWICH, Alejandro. Equidade e financiamento da educação na América Latina. Brasília, DF: UNESCO; Buenos Aires: IIPE, 2002. p. 135-148.

EVANGELISTA, Olinda; SHIROMA, Eneida Otto. Professor: protagonista e obstáculo da reforma. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 33, n. 3, p. 531-541, set./dez. 2007.

EVANGELISTA, Olinda; SHIROMA, Eneida Otto. Subsídios teórico-metodológicos para o trabalho com documentos de política educacional: contribuições do marxismo. In: CÊA, Georgia Sobreira.; RUMMERT, Sonia Maria; GONÇALVES, Leonardo Dorneles. Trabalho e educação: interlocuções marxistas. Rio Grande: Editora da FURG, 2019. p. 84-120.

MORDUCHOWICZ, Alejandro. Equidade e financiamento da educação na América Latina. Brasília, DF: UNESCO; Buenos Aires: IIPE, 2002.

OCDE. Avaliações de políticas nacionais de educação: Estado de Santa Catarina, Brasil. [S.l.], 2010. Disponível em: http://www.oecd.org/education/school/46390673.pdf. Acesso em: 08 de maio de 2020.

OCDE. Education at a glance 2014: OECD. Indicators. [S.l.], 2014. Disponível em: http://www.oecd.org/education/Education-at-a-Glance-2014.pdf.Acesso em: 08 de maio de 2020.

OCDE. Estudos econômicos da OCDE Brasil. Paris, 2005. Disponível em: file:///C:/Users/Carlos%20Vinicius/Desktop/Textos%20Mestrado/Completo_OCDE%20(1).pdf. Acesso em: 21 de maio de 2019.

OCDE. O capital humano: como o seu conhecimento compõe a sua vida. Paris, 2007. Disponível em: https://www.oecd.org/insights/38435906.pdf. Acesso em: 08 de maio de 2020.

OCDE. Os princípios da OCDE sobre o governo das sociedades. Paris, 2004. Disponível em: https://www.oecd.org/daf/ca/corporategovernanceprinciples/33931148.pdf. Acesso em: 08 de maio de 2020.

OCDE. Professores são importantes: atraindo, desenvolvendo e retendo professores eficazes. São Paulo: Moderna, 2006.

SHIROMA, Eneia Oto; CAMPOS, Roselane Fátima; GARCIA, Rosalba Maria Cardoso. Decifrar textos para compreender a política: subsídios teóricos-metodológicos. Perspectiva, Florianópolis, v. 23, n. 02, p. 427-446, jul./dez. 2005.

UNESCO. Educação 2030: Declaração de Incheon e Marco de Ação; rumo a uma educação de qualidade inclusiva e equitativa e à educação ao longo da vida para todos. Brasília, DF, 2016.

Downloads

Publicado

28/12/2020

Como Citar

RAMOS, C. V.; MOREIRA, J. A. da S. Política de remuneração de professores e as recomendações da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE). EDUCA - Revista Multidisciplinar em Educação, [S. l.], v. 7, n. 17, p. 1510–1526, 2020. DOI: 10.26568/2359-2087.2020.4693. Disponível em: https://periodicos.unir.br/index.php/EDUCA/article/view/4693. Acesso em: 13 abr. 2024.

Edição

Seção

Ensaios