UMA CONTRIBUIÇÃO AO ENTENDIMENTO DA EDUCAÇÃO PARA AS MUDANÇAS CLIMÁTICAS

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26568/2359-2087.2023.7088

Palavras-chave:

Ensino-Aprendizagem, Emergência Climática, Escola

Resumo

As manifestações mundiais sobre a emergência climática global trouxeram consigo uma série de reverberações e tensionamentos, inserindo-se neles os contornos educacionais, ampliando os debates sobre a chamada “Educação para as Mudanças Climáticas” (EMC). Para trazer luz sobre este tópico, este artigo procurou sistematizar orientações conceituais sobre a EMC a partir de diferentes referenciais acadêmicos. Para isso, utilizou-se de artigos científicos distribuídos na escala mundial, com até 15 anos de produção, que apresentavam no título os descritores “educação para as mudanças climáticas”, “educação em mudanças climáticas”, “educación para el cambio climático” e “climate change education” e possuíssem utilização recorrente por pares, caracterizada pelo número de citações no indexador Google Scholar. Foram elencados 17 artigos, oriundos dos países: Canadá, Marrocos, EUA, Inglaterra, Brasil, França, Gana, Austrália, Portugal, Alemanha, Finlândia, México e Espanha. Encontra-se que a EMC está assentada, majoritariamente, nas seguintes dimensões: a) escala local; b) enfoque interdisciplinar; c) ensino e aprendizagem voltados para as ações dos indivíduos; d) ensino e aprendizagem direcionados à compreensão de incertezas. Por esses aspectos, indica-se na EMC um alinhamento ao que se compreende como perspectivas neoliberais para a educação. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

João Vitor Gobis Verges, IFRS - Caxias do Sul

Doutor em Ciências do Ambiente pela Universidade de Lisboa (ICS/FC) e Doutor em Geografia pela FCT/UNESP - Presidente Prudente - SP. Mestre em Geografia pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná - Campus Francisco Beltrão. Licenciado e Bacharel em Geografia pela FCT/UNESP - Presidente Prudente - SP. Atua como docente no Instituto Federal do Rio Grande do Sul (IFRS), com desenvolvimento de pesquisas, extensões e ensino nos níveis técnicos, superiores e pós-graduações. Atualmente é Vice-Coordenador do Comitê de Ética em Pesquisas com Seres Humanos do IFRS, líder do Grupo de Pesquisa em Educação Profissional e Humanidades (IFRS/Caxias do Sul), membro do Grupo de Estudos e Pesquisas em Formação de Professores e Didática (IFMT/VGD), do NEDUrb: Núcleo de Estudos em Desenvolvimento Urbano e do Grupo de Estudos em Educação Ambiental e Educação Campesina - GEAC. É revisor de 12 periódicos científicos e parte dos corpos editoriais da Revista Brasileira de Extensão Universitária (RBEU) e do Setor de Publicações do IFRS. Possui experiência em Geografia, trabalhando com os seguintes temas: Ensino de Geografia, Educação Profissional e Tecnológica, Epistemologia Ambiental e Política Climática Brasileira.

Rômulo Lima Silva de Góis, UFRN

Desempenhou a função de Professor Substituto do Departamento de Direito Público da UFRN no período 2018/2020, foi pesquisador bolsista na área de Inovação da FAPERN/SEAD-EGRN, Doutor em Desenvolvimento e Meio Ambiente pelo PRODEMA/UFRN após revalidação do título de Doutor em Ciências Ambientais pela Universidade Nova de Lisboa. Teve seu projeto de pesquisa para Doutorado Pleno no Exterior com âmbito científico transdisciplinar aprovado pela CAPES através do Programa Ciência sem Fronteiras. Desenvolveu Pesquisa de Campo em 30 cidades do nordeste brasileiro em fase conclusiva do doutorado. Desenvolveu pesquisa sobre Teoria do Estado e Ativismo Judicial no qual resultou na condecoração de Investimento de Pesquisa pela União Europeia através do Programa Erasmus Mundus sendo recebido como Pesquisador visitante na Universidad de Zaragoza na Espanha. Desenvolve investigação científica sobre Políticas Públicas, Direito Ambiental e Mudanças Climáticas. Faz parte do Conselho Científico e atua como parecerista das Revistas In Verbis, Fides e Transgressões. Palestra corriqueiramente sobre política e sociedade brasileira.

Ronaldo Eustáquio Feitoza Senra, IFMT

Pós-doutorado com bolsa PNPD/CAPES, na linha de pesquisa Diversidade Cultural e Educação Indígena pelo Programa de Pós-graduação em Educação-PPGE da Universidade Católica Dom Bosco-UCDB. Doutorado e Mestrado em Educação - PPGE/UFMT (2009 E 2014). Possui graduação em pedagogia pelo Instituto de Educação-UFMT (2007). Docente permanente do Programa de Pós-graduação em Ensino - PPGen-IFMT, atuando na linha pesquisa de: "Fundamentos Teóricos e Metodológicos da Educação Escolar". Pesquisador do Grupo Pesquisador em Educação Ambiental, Comunicação e Arte - GPEA/UFMT, Líder do Grupo de Estudos em Educação Ambiental e Educação Campesina - GEAC/PPGen/IFMT. Participou como colaborador - Comitê Interinstitucional e Permanente da Educação do Campo - CIPEC-MT de 2010 a 2015. Professor do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Mato Grosso - IFMT - Campus Várzea Grande, e atuou como docente por 10 anos no Campus São Vicente - Centro de Referência de Jaciara. Coordenador Adjunto do Projeto Prodocência-IFMT de 2010-2012. Participou da coordenação pedagógica de cursos de especializações lato sensu na UFMT (PRONERA/INCRA/MST) e IFMT (Educação do Campo e PROJOVEM CAMPO). Participou do Comitê Municipal de Meio Ambiente e também dos Fóruns de EJA de Jaciara-MT. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Educação Ambiental escolarizada e não-escolarizada, Educação Campesina e do Campo, políticas públicas, formação de professores e educadores/as popular.

Referências

ANDERSON, A. Climate change education for mitigation and adaptation. Journal of Education for Sustainable Development, v. 6, n. 2, p. 191-206, 2012.

BOAKYE, C. Climate change education: The role of pre-tertiary science curricula in Ghana. Sage Open, v. 5, n. 4, p. 2158244015614611, 2015.

CANTELL, H.; TOLPPANEN, S.; AARNIO-LINNANVUORI, E.; LEHTONEN, A. Bicycle model on climate change education: Presenting and evaluating a model. Environmental Education Research, v. 25, n. 5, p. 717-731, 2019.

CONFORTO, E. C.; AMARAL, D. C.; SILVA, SL da. Roteiro para revisão bibliográfica sistemática: aplicação no desenvolvimento de produtos e gerenciamento de projetos. 8º Congresso Brasileiro de Gestão de Desenvolvimento de Produto - CBGFP, v. 8, 2011.

CQNUMC. Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre a Mudança do Clima (2022). https://unfccc.int/news/article-6-climate-education-and-training .

DAVIES, B.; BANSEL, P. Neoliberalism and education. International journal of qualitative studies in education, v. 20, n. 3, p. 247-259, 2007.

FACHIN, L. E.. Agenda 2030, emergência climática e o papel das instituições públicas. Revista Brasileira de Políticas Públicas, v. 10, n. 3, 2020.

FEARNSIDE, P. M. Mudanças climáticas e conservação na Amazônia Brasileira. In: CONGRESSO NACIONAL DE BOTÂNICA. 2008.

FOSS, A. W.; KO, Y.. Barriers and opportunities for climate change education: The case of Dallas-Fort Worth in Texas. The Journal of Environmental Education, v. 50, n. 3, p. 145-159, 2019.

GIL, A. C. Como classificar as pesquisas. Como elaborar projetos de pesquisa, v. 4, n. 1, p. 44-45, 2002.

GUERRA, A. F. F.; JACOBI, Pedro.; SULAIMAN, S. ; NEPOMUCENO, T. (2013). Mudanças climáticas, mudanças globais: desafios para a educação. REMEA - Revista Eletrônica Do Mestrado Em Educação Ambiental. https://doi.org/10.14295/remea.v0i0.3397

GONZÁLEZ GAUDIANO, E. J.; MEIRA CARTEA, P. Á. Educación para el cambio climático:¿ Educar sobre el clima o para el cambio?. Perfiles educativos, v. 42, n. 168, p. 157-174, 2020.

ILUNDAIN, M. C. E. Del “cambio climático” a la “emergencia climática”. Prisma Social: revista de investigación social, n. 31, p. 64-81, 2020.

KOLLECK, N.; JÖRGENS, H.; WELL, M. Levels of governance in policy innovation cycles in community education: The cases of education for sustainable development and climate change education. Sustainability, v. 9, n. 11, p. 1966, 2017.

LAKES, R. D.; CARTER, P. A. Neoliberalism and education: An introduction. Educational Studies, v. 47, n. 2, p. 107-110, 2011.

LEHTONEN, A.; SALONEN, A. O.; CANTELL, H. Climate change education: A new approach for a world of wicked problems. In: Sustainability, human well-being, and the future of education. Palgrave Macmillan, Cham, 2019. p. 339-374.

LIMA MAGNO, C.; COSTA, F. A.; BORBA, G. L. A educação em mudanças climáticas: uma abordagem interdisciplinar. Holos, v. 4, p. 176-188, 2016.

MCCRIGHT, A. M.; O'SHEA, B. W.; SWEEDER, R. D. Promoting interdisciplinarity through climate change education. Nature Climate Change, v. 3, n. 8, p. 713-716, 2013.

MENDES, B. M.; BARBA, C. H. de. A educação ambiental na formação docente em escolas rurais no município de Porto Velho-RO . EDUCA - Revista Multidisciplinar em Educação,[S. l.], v. 9, p. 1–22, 2022. DOI: 10.26568/2359-2087.2022.6368. Disponível em: https://periodicos.unir.br/index.php/EDUCA/article/view/6368. Acesso em: 30 mar. 2023.

NOBRE, C. A.; REID, J.; VEIGA, A. P. S. Fundamentos científicos das mudanças climáticas. São José dos Campos, SP: Rede Clima/INPE, 2012.

OJALA, M. Facing anxiety in climate change education: From therapeutic practice to hopeful transgressive learning. Canadian Journal of Environmental Education (CJEE), v. 21, p. 41-56, 2016.

OLIVEIRA, T. L. S. de; BEZERRA, A. da S. Currículo, disciplinas escolares e conhecimento: natureza constitutiva e apropriações históricas. EDUCA - Revista Multidisciplinar em Educação, [S. l.], v. 6, n. 13, p. 4–20, 2019. DOI: 10.26568/2359-2087.2019.2862. Disponível em: https://periodicos.unir.br/index.php/EDUCA/article/view/2862. Acesso em: 30 mar. 2023.

OVERSBY, J. Teachers’ learning about climate change education. Procedia-Social and Behavioral Sciences, v. 167, p. 23-27, 2015.

PRUNEAU, D.; KHATTABI, A.; DEMERS, M. Challenges and Possibilities in Climate Change Education. Online Submission, v. 7, n. 9, p. 15-24, 2010.

REID, A. Climate change education and research: possibilities and potentials versus problems and perils?. Environmental Education Research, v. 25, n. 6, p. 767-790, 2019.

REIS, K. F. M. Anti-intelectualismo e suas implicações para a Educação Ambiental. 2019. Dissertação (Mestrado em Programa de Pós-graduação em Ensino - PPGen) - Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia de Mato Grosso. Disponível em: dissertacao_kathy_freitas.pdf (ifmt.edu.br) Acesso em 20/09/2022.

SAMPAIO, C. M. A.; DOS SANTOS, M. S.; MESQUIDA, P. Do conceito de educação à educação no neoliberalismo. Revista Diálogo Educacional, v. 3, n. 7, p. 165-178, 2002.

SANTOS, A. G. dos; SANTOS, C. A. P. A inserção da Educação Ambiental no currículo escolar. Revista Monografias Ambientais, 15(1), 369–380. (2016). https://doi.org/10.5902/2236130819893

SILVA, E. M. O papel da Educação Ambiental nas ações de combate as mudanças climáticas. Revista Brasileira de Educação Ambiental (RevBEA), v. 14, n. 2, p. 387-396, 2019.

STEVENSON, R. B.; NICHOLLS, J.; WHITEHOUSE, H. What is climate change education?. Curriculum Perspectives, v. 37, n. 1, p. 67-71, 2017.

SHEPARDSON, D. P.; NIYOGI, D.; ROYCHOUDHURY, A.; HIRSCH, A. Conceptualizing climate change in the context of a climate system: Implications for climate and environmental education. Environmental Education Research, v. 18, n. 3, p. 323-352, 2012.

TRAJBER, R.; MOCHIZUKI, Y. Climate change education for sustainability in Brazil: A status report. Journal of Education for Sustainable Development, v. 9, n. 1, p. 44-61, 2015.

VERGES, J. V. G. Ensino de Geografia e mudanças climáticas: análise sobre a coleção “explorando o ensino”-MEC (2004-2010). Revista GeoUECE, v. 4, n. 6, p. 81-107, 2015.

Downloads

Publicado

30/12/2023

Como Citar

GOBIS VERGES, J. V.; LIMA SILVA DE GÓIS, R.; SENRA, R. UMA CONTRIBUIÇÃO AO ENTENDIMENTO DA EDUCAÇÃO PARA AS MUDANÇAS CLIMÁTICAS . EDUCA - Revista Multidisciplinar em Educação, [S. l.], v. 10, p. 1–21, 2023. DOI: 10.26568/2359-2087.2023.7088. Disponível em: https://periodicos.unir.br/index.php/EDUCA/article/view/7088. Acesso em: 24 maio. 2024.

Edição

Seção

Artigos Científicos