Alfabetizadoras e leitura: reflexões sobre suas concepções e práticas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26568/2359-2087.2019.4038

Palavras-chave:

Alfabetizadoras. Concepções e práticas. Leitura

Resumo

Este artigo apresenta uma breve reflexão qualitativa sobre a importância da leitura nos primeiros anos de alfabetização da criança de 6 a 8 anos de idade. Tomando como referência autores como Mortatti (2000); Freire (1994); Smith (2003); e dados do Ministério da Educação referentes a situação da alfabetização no Brasil, dialogamos com os estudiosos Gatti (2009); Giroux (1999); Libâneo (2012); dentre outros, com o objetivo principal de compreender as concepções das docentes sobre leitura, bem como sua prática em sala de aula, norteados pela hipótese: as alfabetizadoras têm praticado a leitura como simples ato de codificação e decodificação, limitando a significação textual. Partimos da compreensão de que a prática da leitura é imprescindível a qualquer cidadão por ampliar a visão de mundo ao inserir um leitor competente em nossa sociedade. Neste contexto, refletimos sobre as concepções e práticas de leitura de três alfabetizadoras, de 1º e 2º ano do Ensino Fundamental, de uma escola pública municipal do interior do estado de São Paulo e concluímos que, infelizmente, encontramos práticas de leitura do século XIX presentes no contexto escolar, impedindo assim a formação de leitores com capacidade de análise e crítica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lais Fernanda Espósito Barbosa, Universidade Estadual Paulista- FCT, Presidente Prudente

Possui graduação em Pedagogia (2012) e especialização em Educação Infantil (2016), ambos pela Universidade Estadual Paulista, campus de Presidente Prudente. Experiência na área da educação com ênfase em alfabetização e Educação Infantil. Atualmente é mestranda em Educação da Universidade Estadual Paulista, campus de Presidente Prudente.

Elianeth Dias Kanthack Hernandes, Universidade Estadual Paulista -FFC, Marília

Professora Assistente de Doutor da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - UNESP - Campus de Marília - RDIDP- lotada no Departamento de Administração e Supervisão Escolar e Professora credenciada junto ao Programa de Pós-Graduação em Educação - PPGE da FCT/Unesp/Presidente Prudente. Com Doutorado em Educação (2008) e Mestrado (2003), ambos realizados no Programa de Pós Graduação em Educação da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho- Marília e Pós Doutorado em Educação realizado junto ao PPGE/FCT/UNESP/Presidente Prudente. 

Referências

AÇÃO EDUCATIVA; INSTITUTO PAULO MONTENEGRO. Indicador de Alfabetismo Funcional INAF Brasil 2018: Resultados preliminares. São Paulo: Ação Educativa; IPM, 2018. Disponível em:< http://acaoeducativa.org.br/wp-content /uploads/2018/08/In af2018_Relat%C3%B3rioResultad osPr eliminares _v08Ago201 8.pdf >acedido em 11 nov 2018.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional: (Lei9394/96) / 9º. Ed. – Rio de Janeiro: DP&A, 2018.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria da Educação Básica. Base nacional comum curricular. Brasília, DF, 2017. Disponível em: < http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=79601-anexo-texto-bncc-reexportado-pdf-2&category_slug=dezembro-2017-pdf&Itemid=30192 >. Acesso em: 25 jul. 2018

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais - 1ª a 4ª séries. Brasília, MEC/SEF, 1997.

BRASIL. Referencial curricular nacional para a educação infantil / Ministério da Educação e do Desporto, Secretaria de Educação Fundamental. — Brasília: MEC/SEF, 1998. 3v.: il.

COSSON, Rildo. Círculos de leitura e letramento literário. São Paulo: Contexto, 2014.

ECCO, Idanir. Leitura: do conceito às orientações. Disponível em: . Acesso em: 11 dez. 2018.

FERREIRO, Emília e TEBEROSKY, Ana. Psicogênese da língua escrita. Artmed. Porto Alegre. 1999.

FOUCAMBERT, Jean. A leitura em questão. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997. 157p.

FREIRE, Paulo. A Importância do Ato de Ler em Três Artigos que se completam. 29 ed. São Paulo: Cortez, 1994 (Coleção Questões de nos0sa época)

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. São Paulo, 2005.

GATTI, B. A. Formação de professores: condições e problemas atuais. Revista Brasileira de Formação de Professores, Cristalina, v. 1, n. 1, p. 90-102, maio 2009.

GHEDIN, E. Professor reflexivo: da alienação da técnica à autonomia da crítica. In: PIMENTA, S. G.; GHEDIN, E. Professor reflexivo no Brasil: gênese e crítica de um conceito. São Paulo: Cortez, 2003; p.129-150.

GIROUX, H. A. Professores como intelectuais transformadores. In: GIROUX, H. A. Os professores como intelectuais. Porto Alegre: Artes Médicas, 1999. Cap. 9, .157- 164

IMBERNÓN, F. Formação permanente do professorado: novas tendências. Trad. de Sandra Traucco Valenzuela. São Paulo: Cortez, 2009.

KLEIMAN, Ângela. Texto e leitor. Campinas: Pontes, 1989

KOCH, Ingdore V.; ELIAS, Maria V. Ler e compreender os sentidos do texto. São Paulo: Contexto, 2008.

LIBÂNEO, J. C. O dualismo perverso da escola pública brasileira: a escola do conhecimento para os ricos, escola do acolhimento para os pobres. Educação e Pesquisa, S.P., v.38, n.1, p.13-28,2012.

MORTATTI, M. R. L. Os sentidos da alfabetização: São Paulo - 1876/1994. Brasília, DF: MEC/INEP/COMPED; São Paulo: Ed. UNESP, 2000.

SMITH, F. Compreendendo a leitura: uma análise psicolinguística da leitura e do aprender a ler. Porto Alegre: Artmed, 2003.

TARDIF, M. Saberes docentes e formação profissional. 16. ed. Petrópolis: Vozes, 2014.

Downloads

Publicado

13/09/2019

Como Citar

BARBOSA, L. F. E.; HERNANDES, E. D. K. Alfabetizadoras e leitura: reflexões sobre suas concepções e práticas. EDUCA - Revista Multidisciplinar em Educação, [S. l.], v. 6, n. 15, p. 114–133, 2019. DOI: 10.26568/2359-2087.2019.4038. Disponível em: https://periodicos.unir.br/index.php/EDUCA/article/view/4038. Acesso em: 13 abr. 2024.

Edição

Seção

Artigos Científicos